Vale a pena investir em Inbound Marketing na minha empresa?

Mesmo para empresas que já estão no mercado há mais tempo ou para aquelas que estão começando agora, uma coisa é certa: para crescer é preciso ser conhecido. Só com uma boa divulgação da marca é que as pessoas vão ter a oportunidade de conhecer seu produto ou serviço e adquiri-lo. Mas como fazer isso diante das mudanças no comportamento dos consumidores? O Inbound Marketing vale mesmo a pena?

Antes de responder a essas questões, faça uma breve reflexão pessoal: Quantas vezes você já jogou fora um panfleto que recebeu na rua e que não te interessava? Ou aproveitou o intervalo comercial da TV para pegar um lanche? Você tem preferido usar plataformas de streaming para escolher o que vai ouvir ou assistir quando e onde quiser, e sem ser interrompido por anúncios?

Pois é, os tempos mudaram e chegar até o consumidor por meio do marketing tradicional está ficando cada vez mais difícil. O segredo para o sucesso de muitas empresas nos últimos anos tem sido o foco na atração.

 

O que é o Inbound Marketing?

Desde que a tecnologia passou a facilitar o acesso das pessoas a conteúdos diversos e plataformas diferentes, também mudou a forma como as empresas conquistam clientes. Se antes a televisão e o rádio eram os meios de maior retenção, a internet e as múltiplas telas facilitam a dispersão e dão mais poder de escolha.

O consumidor só dá atenção ao que realmente lhe interessa. Qual é o ensinamento que o marketing tira disso? “Vamos produzir conteúdos interessantes para que o consumidor preste atenção na nossa marca”. Isso é Inbound Marketing.

Ao invés de interromper o que a pessoa está assistindo, lendo ou ouvindo através das diferentes mídias - sejam elas digitais ou não -, o que essa estratégia busca é trazer uma solução para algo que a pessoa precisa e que tenha a ver com o seu produto/serviço.

Ao fornecer conteúdos que agregam valor e conhecimento, a marca cria uma relação com essas pessoas e, consequentemente, fãs. O objetivo é que esses clientes não apenas consumam o seu produto ou serviço, mas que gostem tanto da sua marca que te indicam a amigos e familiares sobre os quais têm influência.

 

Criando estratégias voltadas para o seu público

Outro grande diferencial do Inbound Marketing é que você cria estratégias voltadas ao público que realmente pode se interessar pela solução que você oferece. Isso não é algo que pode ser controlado no marketing tradicional (outbound).

Ao fazer uma propaganda na televisão, por exemplo, dentre os milhares de espectadores que serão atingidos estão pessoas que não se encaixam no perfil de comprador ideal da sua marca - seja por questão de idade, gênero, profissão, renda, escolaridade, desejos, interesses ou problemas. Além de ser bastante caro, você também não vai conseguir saber quantos clientes realmente foram atraídos por aquela propaganda, o quão bem-sucedida foi a campanha.

Em um anúncio do Facebook ou Google Ads, por outro lado, você pode segmentar melhor as pessoas que serão alcançadas por aquela informação, além de conseguir mensurar com clareza os resultados. Quantas pessoas viram? Quantas clicaram? Quais as características de usuários que mais se interessaram por esse conteúdo? Quantos clientes compraram depois de clicarem neste anúncio?

 

O Inbound Marketing na prática

Se você ainda não conseguiu visualizar como funciona uma estratégia de atração, vamos te dar um exemplo prático. É bem provável que você se identifique com essa situação, pois o inbound é algo que já está inserido no nosso dia a dia de uma forma bastante profunda.

Considere que você tem um cachorro e descobre que eles estão com carrapatos. Você então faz uma pesquisa no Google: “Como tirar carrapatos do cachorro com segurança”. Dentre as respostas, você muito provavelmente vai encontrar um artigo que explica exatamente o que você precisa fazer.

Ao observar o site, você percebe que se trata do blog de uma empresa especializada em produtos de higiene para cães. Ali tem várias dicas bacanas sobre o universo canino e você acaba se inscrevendo para receber informações em seu e-mail, através do newsletter.

Depois, você confere a lista de produtos da marca e descobre que existe um shampoo contra carrapatos que vai resolver seu problema. Você tem a opção de realizar um cadastro e comprar na loja online, ou ir até o mercado mais próximo e comprar exatamente aquele produto, pois já sabe como aplicar em casa.

Essa empresa conquistou um cliente apresentando uma solução para o seu problema, sem precisar oferecer o produto de forma invasiva. Entende a diferença? O problema do cliente pode levá-lo a encontrar a sua marca, quando ele precisar de ajuda.

 

Como essa estratégia é colocada em prática?

Ao desenhar uma estratégia de Inbound Marketing você deve considerar que nem todas as pessoas que vão conhecer sua marca estão prontas para a compra (ainda). Dessa forma, o trabalho será voltado para atrair visitantes ao seu site ou blog e criar iscas (landing pages) que os convença a iniciar uma relação com a sua marca.

A partir do momento em que o visitante se interessa em se inscrever em um newsletter, baixar um e-book, participar de uma webinar ou testar uma ferramenta grátis, por exemplo, ele te fornece dados pessoais em troca do benefício. Chamamos essa etapa de conversão do lead.

Depois que começa essa relação, a equipe de marketing pode nutrir esse relacionamento. Serão oferecidos conteúdos para ajudar o lead a encontrar a solução do problema que o levou até você. Chamamos esse processo de qualificação do lead.

Quando o lead já tiver informações suficientes para se convencer da necessidade de resolver seu problema, ele irá procurar a melhor empresa que ofereça o produto ou serviço que ele precisa. É então que o marketing irá passar a bola ao time de vendas, que terá a chance de fechar um bom negócio.

Leia também: Como o marketing deve atuar no pós-pandemia